quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Still Alive

- Continuo no meu emprego, que continuo a adorar e que, até ver, vai a pleno gás ao ponto de me terem aumentado 200€ no ordenado
- Já me inscrevi no 3º e ultimo ano de licenciatura e ainda ando às voltas em busca de um estagio para o próximo ano lectivo (já vi no horário que vou voltar a ter 2 professores com os quais tenho uma relação dificil... God bless me!)
- Morreu o meu 1º namorado. Aquele com quem perdi a virgindade. Nunca pensei sentir-me assim... não tenho qualquer sentimento amoroso por ele, já passaram muitos anos mas... não sei. Deram-me a noticia e as pernas começaram a tremer, fiquei sem pinga de sangue, nó na garganta. Nessa noite, sozinha em casa, chorei muito. Decidi ir ao velório. Não foi facil e nunca esquecerei a imagem da namorada actual, com a filha de ambos, aquela bebe de meses, que nasceu 1 dia antes do meu aniversario e que 2 semanas antes ele tinha querido apresentar-me mas quis a vida que nos desencontrassemos. Nunca pensei conhecer a filha dele ali, no enterro dele, uma bebe tão fragil a ver o caixao do pai sair da casa mortuária. Que cena tão forte! A vida é rara, mesmo... E até agora, ainda nao cai em mim. Parece mentira. Tão jovem, tão alegre, tão querido por todos...
- descobri que talvez as almas gemeas existam. Reencontrei uma pessoa que conheci há 2 anos atrás e foi tão forte, somos tão iguais, que foi o suficiente para ele romper uma relação de 11 anos por mim. E não, ele não traiu ninguém. Foi um sentimento tão forte que o fez sair da relaçao sem nem me ter beijado. Vivemos algo bonito, incrivel... até a ex aprontar uma cena de novela e ele ter voltado para ela. Infeliz, contrariado, com saudades minhas, mas voltou para ela. E não fiquei magoada. Estou tão orgulhosa de mim! Afinal, desenvolvi a minha espiritualidade mais do que alguma vez imaginei. Consigo respeitar o caminho do Outro, colocar-me no seu lugar e desejar-lhe sempre o melhor, sendo cada qual fiel á sua missão. Estando eu tão afastada do reiki, portei-me da forma mais altruista possivel. Gratidão é a palavra certa para esta fase da minha vida!
- Perante a crise na Venezuela e tendo uma colega de casa oriunda de lá, veio-me pedir se podia trazer o irmão para vivier connosco. Com que cara lhe posso dizer "Não me apetece viver com um marmanjo?". Com nenhuma! Temos a sorte de viver num país pacifico e podermos sair à rua com a certeza que não vamos passar fome ou levar um tiro da propria policia. Acedi. No proximo mês seremos 3 cá em casa
- Este verão tenho reparado mais nos bons e grandes amigos que tenho, que fazem coisas incriveis por mim
- Apercebi-me que trabalho há 2 anos com pessoas muito divertidas e boas, com as quais nunca tinha parado para falar. Assim nascem bonitas amizades

OBRIGADO VIDA

domingo, 18 de junho de 2017

De Itália V

Ravenna

Pequena, surpreendeu pela riqueza história e arquitectónica.
Visita-se facilmente, de modo rápido mas maravilha. É a capital do mosaico e, entre igrejas e túmulos romanos decorados, senti-me numa outra era. Uma Era de Ouro.
Recomendo! É também onde está enterrado Dante e mesmo ao lado do seu mausoléu há um museu da memória Dantesca girissimo.



Sempre na rota dele!




Túmulo de Dante

Parma

Igualmente me surpreendeu pelo espólio artistico. Ao que parece a esposa de Napoleão viveu lá várias décadas, existindo um museu com todos os seus pertences.
O que mais impresiona é o Museu de Arte dentro do Palácio Pilota. Tem grandes obras, um DaVinci original e um teatro em madeira monumental.
E a comida? Dos sítios onde comi melhor e a bom preço!




Beringelas à Parmegginana! Uma delicia! 

Sempre Ele! Garibaldi 

 Pavia

O único sitio onde me esqueci de comprar um iman para o frigorifico... bolas!
Também é uma cidade pequena, recatada, nebulosa e mais triste. Não me pareceu muito preparada para o turismo.



Sabedoria pelas ruas

Bolonha

O pesadelo! Lembro-me de Gonçalo Cadilhe a definir como a cidade italiana com mais qualidade de vida. Não o entendo!
A cidade é toda laranja. Prédios, igrejas, pessoas... tudo é alanrajado!
E há uma pobreza impressionante! Há pedintes em cada esquina. E não me refiro aos típicos emigrantes em busca de oportunidades. Refiro-me a mães de familia italianas, com fotos dos seus filhos, da Nossa Senhora e cheias de lágrimas.
Havia também muitos rapazes a pedir com os seus cães.
Senti um choque de realidade, senti-me mal do principio ao fim e só conseguia pensar em sair dali.
Não volto nunca mais!
A única coisa interessante foi a exposição comemorativa do Corto Maltese, grande e brilhante, que tive a oportunidade de ver. De resto, não explorei muito Bolonha devido ao estado das pessoas que fui encontrando e que, não podendo fazer muito mais do que dar dinheiro a algumas, me foi deprimindo. Quase que me senti culpada de, felizmente, ter emprego e uma casa. Que choque!


Pela Liberdade! 


Verona

A suposta terra de Romeu e Julieta, com a casa onde teria vivido a bela dama e com uma tradição meio esquesita que não cheguei a apurar porque se fazia: no pátea existe a estátua da Julieta e diz que dá boa sorte esfregar-lhe uma das mamas. Não entendi mas a fila para tal parvoíce era grande! Eu cá não me meti nela.
É uma cidade simpática e tive a agradável surpresa de lá encontrar uma exposição sobre os Maias vinda do Museu Nacional Mexicano.
Como todas as cidades no Norte, Verona é atravessada por um rio, o que potencia espaços agradaveis para tomar um copo e muita gente nas ruas.


Todos juntos podemos ajudar!

Leiam ESTE texto e entendam, consoante a localidade em que vivem, como podem ajudar.
As garrafas de água pequenas custam em muitos sítios 0,08 ou 0,09 centimos. Um caixa de 10 compressas custa 1€. Uma caixa com 6 barrinhas energéticas custa tambem 1€. Por isso não há desculpas. Se todos dermos 1€ a esta causa, tornaremos a ajuda enorme, sem precedentes.
Bora pessoal!
Eu vou tratar disso ainda esta semana!

PS: Nem consigo imaginar o horror que é morrer queimada viva, presa num carro, na estrada. A impotencia, a dor, a angustia... as fotos que vi hoje são impressionantes. Ninguém merece e nem parece um cenário digno de um país desenvolvido.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Da adrenalina

A banda sonora do anterior post foi para...

                                                                                                 isto!

Eu tenho a sorte de ter aquela amiga à qual tu diriges a frase "E se nós...?" e nem precisas terminá-la, pois ela já está de pé a dizer "Bora!".
E ela decidiu convencer-me a fazer já, agora, em beve, uma daquelas coisas que sempre disse "Um dia gostava de...".
Porque com ela, "um dia" é sempre hoje.
Digo-vos que custa mais aqueles corróceis marados das feiras do que isto. Nos carroceis sentes o estomago a revolver-se, o balanço desenfreado, as costas pegadas ao assento, um espaço entre a proteção e o peito e aquele terror de que alguma falha humana vá provocar uma queda e morte dolorosas. Aqui não. O salto é tão suave, é um "deixar cair", fluir... não sentes nada no estomago, apenas voas. O vento sim é do caraças e quando vês o video / fotos sentes-te um idoso cheio de peles flácidas. Aliás, não consegui fechar a boca em nenhum momento, o labio superior voou e... pareço um cavalo em todas as fotos!
Aos poucos que tive coragem de mostrar o video, choraram a rir com a minha humilhação.
Sinceramente, não fosse tão caro e saltaria todos os dias!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Como nunca tinha reparado?!?

Imagine Dragons...
Banda da moda, com musicas conhecidas, daquelas que vão passando mil vezes ao dia na rádio e vamos absorvendo sem nem reparar.
No outro dia, andava eu no Supermercado quando uma música que nunca antes tinha ouvido me soou. Adorei a letra, o ritmo mas nunca a tinha ouvido. A voz do vocalista não me lembrava a ninguém.
Ontem por acaso, enquanto pesquisava no Google por músicas com letras fortes, encontrei-a! E é dos Imagina Dragons.
1h de pesquisa depois, descobri que o vocalista é um tipo admiravel, com composições poderosas, genuinas e directas.
Definitivamente será esta a banda sonora para o video de amanhã!
Que video?... Domingo falamos! Bom fim-de-semana, pessoal!
Se eu sobreviver...

"I'm the master of my sea"

Cenas!


Acabou o estágio.
E não da forma que deveria ter acabado.
Desisti.
Tinha de ter as horas todas feitas até dia 31 de Maio e ainda me faltam bastantes.
Ainda por cima, a orientadora decidiu tentar "comprar-me", propondo assinar-me as horas, mentir, dizer que as tinha feito se... SE eu fosse um ultimo mês de forma intensiva, sem faltar nunca e ficando responsavel de um projecto social que, digamos, me parece que de social tem pouco e é uma escravatura disfarçada de caridade.
Entre garantir uma nota e explorar pessoas alegando que lhes estou a fazer um favor e a cuidar delas, preferi chumbar! Informei a faculdade, tanto da minha falha como daquilo que a Instituição me tinha proposto. Eticamente não o farei. Prefiro assumir as consequencias.
Agora falta saber se isto significa mais 1 ano em Lisboa e a pagar propinas.
Curiosamente não entrei em stress. Aceitei. A vida continua, as coisas acontecem para além de nós. Melhor aceitar e lidar o melhor possivel.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dia "DAQUELES"

Tenho andado meio desmotivada com o estágio. A orientadora tem um super ego, é muito ocupada e não me sinto minimamente "orientada". Contudo, hoje foi um bom dia.
Conheci um ex utente, um africano cheio de garra que deu a volta por cima e, como ele bem diz, sem a ajuda de nenhuma Assistente Social. Arriscou, viu e venceu! A história de vida dele motivou-me, ajudou-me a entender que tudo é possivel e que posso fazer a diferença sim num mundo de técnicos "Sr. Doutores" com nojo de ir para o terreno e deixar os seus papeis por preencher.
Foi um dia tranquilo mas inspirador.
Para terminar, percebi que já pertenço um pouco a esta Lisboa que tanto renego. Tentei ir à mercearia, que basicamente é a 2min da minha casa. Demorei 2h para lá chegar graças às pessoas que ia encontrando e com as quais ia falando. Entendi que já sou conhecida no bairro, o sr do café já sabe o que peço todos os dias, o sr da churrasqueira já me deixa o frango pronto a levar com aquele molho que eu mais gosto, o dono daquele cão que eu acho bonito já o solta quando me vê porque sabe que eu adoro animais e o cão adora saltar-me para cima... detalhes que tornam a vida mais bonita e os dias mais luminosos.
E o melhor, melhor? Ter aquele empregado de mesa velhote, a dizer que me admira pela vida que levo, pelas atitudes que observa, pelos valores que lhe transmito. AHHHH! Coração cheio!

Do facto de ser a única portuguesa...

... no meu trabalho.
Ter de aturar "nuestros hermanos" e América Latina em geral a dizer durante uma semana, que o nosso Salvador só ganhou por caridade, porque todos pensam que ele é um coitadinho deficiente com aqueles jeitos e manias ao cantar e que a música é triste como os tugas, sem cor como os tugas, etc e tal.
Ok, até aceito o 1º argumento. Eu própria pensei nisso a primeira vez que vi o Salvador. Convenhamos que parece um menino "especial" com inúmeros atrasos cognitivos. Mas independentemente disso, a letra é linda, a melodia mágica, e ele emana sentimento, tanto sentimento. A sua qualidade como artista, com ou sem atrasos, é inegavel! Cambada de invejosos!

PS: se até a minha colega de casa, Venezuelana, que entende pouco de português, se sentou no chão, calada e arrepiada a primeira vez que viu e ouviu o Salvador, acho que está tudo explicado.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Diz que é só um fenómeno breve

Quando era pequena adorava o Fertival da Eurovisão. Achava piada àquilo.
Depois fui-me desligando. Mas ontem tive de voltar àqueles momentos de infancia, sentada no chão da sala, a ver o que cada país tinha para nos mostrar. Sem surpresas, todos apostaram em coisas modernaças, em ingles, com muitas componentes electronicas. Só a Belgica e a Finlandia tinham musicas bonitas, em vozes femininas suaves.
Mas nós... uff! Os únicos a cantar em lingua materna. E digam-me o que disserem, ninguém se expressa de modo tão sincero como na sua lingua mãe. Desde que trabalho numa empresa internacional onde NUNCA, em nem 1min do dia falo português que sinto finalmente esta coisa da alma lusitana, reparo como nunca antes na beleza da nossa lingua, da nossa comida, da nossa expressividade.
Ganhamos pelo sentimento, pelos violinos, por sermos um momento de pausa naquele aparato ruidoso e cheio de luzes. Fomos o alentejo no meio de Lisboa.
E quando vejo a minha colega de casa, Venezuelana, que nem metade das palavras entende, a meter o seu Enrique Iglesias em pausa e a sentar-se comigo no chão da sala, em silencio, arrepiada a ouvir o Salvador, ficou claro que iamos passar à final.
Hoje dizia-me uma amiga que ele é um fenomeno que vai passar. Talvez. Mas acho ao contrário dele não acho que ele seja agora famoso pelo Festival e já está. Acho que é famoso pela conjugação entre a sua voz doce e os tiques inesperados e esquesitos com o talento inegavel da irmã. Porque o Cd dele a sós, já o ouvi e não me pareceu minimamente interessante. Insisto que o que o salvou foi a grande composição de Luisa.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Uma lufada de alivio

Eu acredito que mais dia menos dia, as extremas direitas e os nacionalismos exacerbados vão voltar ao poder. E de forma democratica, ou seja, eleitos pelo povo. Tudo potenciado pelo medo. Foi assim com Hitler, será assim no futuro. E achei mesmo que seria desta...
Fiquei muito feliz ao saber da vitoria do Macron.
Mas confesso que esta imagem que anda a circular na net resume bem a minha verdade:


Eu não sei bem que defende Macron ao intitular-se centrista nem que ideias de politica tem. Muito menos me importa o que os outros governantes andam a dizer, de que ele marca a vitória da UE, de que ele é um simbolo pró-Europa, etc e tal. Isso não sei nem me interessa. Interessa-me que ganhou àquele monstro Le Pen. Interessa-me que ganhou sobre pessoas como aquele meu colega de trabalho que há dias escrevia numa rede social "Quem vota contra Le Pen são ignorantes aos quais os terroristas agredecem". Interessa-me que no meio do medo, ainda haja quem pense para lá do ódio.