quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

PDA (parte I)

Sei que já é dia 7 mas só agora me deram um dia de férias inesperado e pude ter tempo para vos contar como foi a minha passagem de ano.
Comecemos pelo dia 30, em que deixei aqui um post a dizer que ia buscar a minha amiga F. à rodoviária e tal, que ela ia cá dormir para no dia seguinte seguirmos para a Nazaré.
Pois bem, fui até à rodoviária bem, sem problemas. Mas à vinda para cá vejo um vulto negro no chão. Um gato. Um gato deitado no passeio imóvel? Estranho. Fui até ele e era o que previa: atropelamento e fuga. FILHOS DA PUTA! As pessoas passavam, olhavam, faziam ar de nojo e seguiam em frente. Eu lá o enrolei no meu cachecol, chamei um táxi e segui para uma clínica veterinária. Quando lá cheguei, era tarde demais. Morreu-me nos braços, no caminho. De todos os modos, nada havia a fazer, tinha a pata desfeita e várias hemorragias internas. Ao menos foi enterrado com dignidade.
Viemos para casa, vinha ainda abatida a pensar no gatinho quando a minha amiga me diz “Raven, estamos a ser seguidas”. Olho para trás, vinha uma cadela grávida que, numa praça cheia de gente, decidiu seguir-me a mim. Veio até casa connosco mas quando eu a olhava ela encolhia-se. Tinha as orelhas e rabo cortados, sinais de muitos maus tratos. Ali estive 30min a tentá-la com comida do Eros, ela fugia e às vezes aproximava-se. Até que lá a convenci a confiar em mim, abracei-a, enchi-a de mimos e liguei para a GNR. Com alguma má vontade e usando várias técnicas para me fazer desistir, lá tiveram de aceder e enviar alguém para recolher o animal (o Canil daqui não é de abate). Mandaram-me um marmanjo com 1.80m que só serviu para motorista! Então não é que o balde de merda olha para a cadela e diz assim “Ai ela claramente foi muito mal tratada, esta traumatizada e vai morder. É melhor virmos cá amanhã de dia, com comida”. Obviamente, tive de ser expressiva, “Claro, meu senhor. E entretanto a cadela vai ali ao café, puxa uma cadeira, senta-se, pede um pratinho de tremoços e espera por si, é isso?”. Que imbecil! Pedi-lhe uma trela, uma corda, algo para apanhar a cadela que já tinha desandado com medo do GNR e estava agora duas ruas mais ao lado. Deu-me uma corda, sempre alertando que a cadela me iria morder. Em 2 min meti-lhe a corda ao pescoço e trouxe-a para junto da viatura sem problemas. Entreguei-a ao agente que me olhou com curiosidade e ainda teve a ignorância de dizer “Como a meto no carro? Ela está toda suja!”. Já nem estive para me chatear, abri a porta, peguei-a ao colo, metia no banco, fechei a porta e disse boa noite.
Gente incompetente é algo fantástico…

PS: enquanto resgatava a cadela, tive sempre 2 gatos pretos por perto, a observarem a cena. Ora 2 mais o preto que morreu… se fosse mais supersticiosa diria que 2015 vai ser terrivel! Agora que penso nisso, no meu emprego já falam em despedimentos, a minha massagista disse-me hoje que acha que tenho uma escoliose avançada com artroses, perdi hoje 300€, estou com gripe… mau…!

4 comentários:

  1. Por que pagas?

    É a única coisa que me vêem à cabeça...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque pago o quê? Não entendi.

      Eliminar
    2. Lol
      As pessoas dizem que devem ter feito muito mal numa vida passada

      Eliminar
    3. Ah! Sim! Acho que fui o Hitler! xD

      Eliminar